amor · casamento · feminismo · força · paixão · sofrimento

Por força, da força

magritte
René Magritte

Ela se apaixonou pela força dele. Entregou-se sem saber que o relacionamento a levaria a força para anos de uma vida nunca desejada. Ao longo desses anos, descobriu que a força dele era tamanha também nas imposições de como ela devia se comportar. No tom de voz aumentado quando algum desentendimento surgia. No jeito de olhar a repreendendo em público. E entre quatro paredes,na força do sexo em horas indesejadas. Mas, aos poucos, ela ia percebendo que essa força revelava uma fraqueza descomunal existente naquele homem. Foi se descobrindo mais forte que ele, dia após dia. Sentia-se mais forte que ele quando separava sua vida pessoal da profissional e, apesar dos problemas, conquistava cada vez mais espaço mundo afora. E os méritos alcançados lá fora não a impedia de manter tudo organizado dentro de casa. Tornou-se mais forte que ele, quando começou a questionar as imposições e comportamentos daquele homem fraco. E tomou toda a força que restava nele para si, quando acabou com o relacionamento e se libertou, sem medo, para continuar a viver do seu próprio jeito forte de ser.

amor · casamento · paixão · romance

Aparências do amor

xbao
Fragrant – Wang XiaoBo

“Perdi a conta de quanto tempo estamos juntos”. A moça ao lado da senhora gorda ouviu-a falar isso e observou. O marido daquela mulher era um homem aparentemente mais novo, mais bem cuidado. Ele a tratava com tanta atenção e isso irritou a moça que observava. A inveja a dominou. Lembrou do seu namorado. Sabia que cada mês a mais de namoro era contado por ela como uma vitória, por conseguir sustentar tal relacionamento. Não entendia como o seu namorado não se comportava tão dedicado e amoroso como aquele marido tratava sua esposa gorda. Certamente, ela era bem mais bonita e atraente. Porém, sua beleza não chamava nem um pouco a atenção dele. Na primeira oportunidade em que se viu só com o homem, com toda sua curiosidade desvalada, perguntou como ele poderia estar com “aquela senhora”. Ele não pareceu se surpreender com a pergunta, tampouco com o tom pejorativo. De pronto, respondeu – como quem já respondia rotineiramente o mesmo: “o segredo é que amor está relacionado ao que a pessoa é e não ao que ela aparenta ser”. Aquilo calou a moça pelo resto do dia e a fez compreender que pouco sabia sobre aquele sentimento. Desejou que um dia pudesse encontrar alguém que a ensinasse ou que se dispusesse a aprender junto com ela sobre o real significado do amor.

casamento · força · medo · sofrimento · violência

Reflexos de uma dor

rscott
Victoria – Richard Scott

O punho ainda estava dolorido. Mas aquela dor não era nada perto do forte aperto que carregava no peito. Passou o dia inteiro sem coragem de se encarar nos espelhos da casa. O reflexo de mulher forte, que ela vestia todos os dias, certamente naquela manhã devia ter amanhecido menos convincente. Não sabia se os outros que encontraria ao longo do dia notariam isso. Mas ela sentia isso e sabia que sentir era mais triste do que transparecer. Nunca pensou que o homem que chamava de amor um dia a deixaria com aquele aperto no peito. Com aquela dor no punho. Com aquele sentimento de que já não é mulher forte o bastante para viver. O que vivera noite passada foi claramente violência doméstica. Mas nunca imaginou que seria ela mais uma mulher nas estatísticas… Ou melhor, não seria. Porque não tinha força pra falar, denunciar, expor aquilo que viveu. E isso só a machucava mais. Só afastava mais a lembrança de que, até ontem, era uma mulher forte, bem resolvida, com controle sobre si. Mas algo ali dentro ainda insistia em lembrar dessa mulher que foi. E, meio ao vazio existencial pós violência, conseguia esperançar sobre um dia enfrentar aquele suposto amor, encarar a realidade e olhar seu reflexo com coragem de novo. Quem sabe, um dia. 

amor · casamento · ego · liberdade · paixão

Lara, Aldo e o mundo

65ede-gaston2bla2btouche
Gaston La Touché
Lara era tão frágil. Cheia de incertezas, indecisões. O mundo ainda era um grande enigma para seus parcos anos de vida. Era jovem e assumia que não sabia de quase nada. Por isso a timidez diante do mundo. Mas uma coisa sempre teve dentro de si: muita curiosidade.
Tal retrato psicológico de Lara logo encantou bastante Aldo, um homem já tão vivido. Ele se apaixonou pelas fraquezas dela. Sentiu ânsia de a proteger do mundo pelo resto da vida. Logo, empreendeu no desafio de a conquistar para si. E ela se deixou conquistar, mesmo com receio, mas motivada por pura curiosidade. Então, conquistada, passou a ser mulher superprotegida pelo homem. Aldo, antes cheio de boas intenções, passou a nutrir um grave sentimento possessivo. Queria limitar toda e qualquer forma de Lara se fortalecer, se descobrir. Queria substituir a noção de mundo na cabeça dela pela noção de viver completamente voltada para ele. Queria ser o único e exclusivo universo daquela mulher. Mas mal sabia ele que não se apaga o mundo diante dos olhos dos curiosos. E que curiosidade é o primeiro ingrediente para a porção de fortalecimento que toda pessoa precisa para superar seus próprios receios. E esse ingrediente, Lara tinha em boas doses. Logo, tudo era apenas uma questão de tempo. Mais dias, menos dias… Ela iria descobrir o mundo. Iria se descobrir.
amor · beleza · casamento · morte

Olhar de elogios

Freay’s tears – Gustav Klimt
O marido nunca foi homem de elogiar. Mesmo assim ela aceitou viver ao lado dele. É que havia algo mais poderoso que o elogio: o olhar dele. Todas as vezes que ela se arrumava bem, o marido a olhava de uma maneira única, um olhar cheio de paixão e admiração. Era esse olhar que a enchia de graça e que a fazia tão bem. Porém, a velhice veio e o marido acabou cego. E a mulher teve que aprender a viver sem aqueles olhares apaixonados. Permaneceu ao lado dele, por consideração a todos os anos de amor. Mas perdeu a graça de antes. Até o dia em que, nos braços da morte, o marido cego a encarou no vazio e falou: “Você é a mulher mais linda que já conheci. Nunca deixou de ser. E certamente agora você deve estar encantadora. Obrigado por me permitir viver ao seu lado”. Quem ali estivesse ou por ela passasse, veria uma viúva cheia de graça, como nunca se imaginou ser possível ver.
amor · casamento

Sussurro antes do embarque

Trust (serie Lovers) – Lynn Noelle Rushton
Monta acampamento em mim. Sou terra fértil. Não tenho cercas, nem muros, nem limites. Mas sou lugar seguro. Não há como forasteiros adentrar esse território que sou. Porque sou lugar feito para ti. E só a ti te serve. Aposenta tuas mochilas e teus pares de tênis de viajante. Guarda as experiências de fugas pelo mundo no baú da memória. E vem erguer moradia aqui. Uma cabana simples. Uma fortaleza grandiosa. Ou qualquer outra estrutura que desejar. Apenas vem, pois em mim há um pouco de qualquer lugar que tu já tenha ido ou pensa em ir. Só que com uma diferença: aqui não há motivos para fugir, porque aqui não precisa ter medo de ser o que você é. Nem de mudar isso que você é. Essa terra suporta tuas nevascas, vendavais e primaveras. Todas as tuas transformações. Pois nasci para te sustentar. Para te servir de base. Eis minha felicidade: servir a tua felicidade. Então… Assenta nessa terra? Não embarca… Casa comigo?
amor · casamento · rotina

Exercícios mentais

And the Bridegroom – Lucian Freud

A cada amanhecer, ela olhava o marido ao seu lado e se imaginava sem ele. Aquele exercício mental a fazia acordar sempre com os sentimentos de afeto renovados,  porque imaginar-se sem ele era doloroso demais para ela. A cada anoitecer, o marido observava a mulher pegar no sono e pensava que teria que ver aquela cena pro resto de sua vida. E sentia aquilo como uma rotina tediosa demais para suportar por tanto tempo. Logo, esse exercício mental dele foi destruindo o casamento. Acabaram se divorciando.

Divorciados, ela superou os fatos mais rápido do que pensava, pois aquela sua imaginação de outrora a tinha treinado psicologicamente para o pior.  Enquanto ele passou a sofrer pelo caos que ele mesmo provocou: sentiu falta daquela rotina segura que tinha e que, por pensar que seria para sempre, acabou destruindo.