amor · medo · sofrimento · tristeza

Medos omitidos

medo
Kris Knight

“Eu estava chorando, meu amor. É que estou com medo de te perder. Eu me sinto insuficiente para ti nos últimos anos. Como se você tivesse evoluído tanto e eu, sem querer, tivesse ficado parada, sem me mover, em algum estágio muito anterior a sua evolução. E não quero te impedir de evoluir, tampouco quero deixar você ir sem mim. Eu não me reconheço sem você. Por isso choro quase todos os dias…”
Ela sentiu o nó na garganta. Pestanejou e afastou todos aqueles pensamentos. Apenas respondeu seu namorado com uma frase rápida “acabei de acordar, por isso meus olhos estão inchados” e um riso forçado. Não era a primeira vez que ele perguntava porque aquele inchaço no olhar da mulher. E ela sempre tinha que engolir aqueles pensamentos, aquelas verdades, afinal, não queria nunca ter que assumir seus medos. Não queria correr o risco de ser frágil e perder sua única fortaleza: o seu amor. Sem saber, no entanto, que a cada dia que escondia esses medos era mais um passo atrás da evolução que ela tanto queria fazer também.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s